Nossos 25 Anos

Há 25 anos somos um círculo dentro de um círculo e, como a própria canção Tendeira nos diz, sem um começo e sem um fim. Nesse um quarto de século, muitas histórias de vida, de cura, de reencontros e de amor foram tecidas. Na vida há que se aprender a se reconhecer: pausar no tempo e olhar para trás para tudo o que já andamos, revisitar nossos passos… essa é a memória do passado, o que levamos em nosso coração. Estar no presente é celebrar a existência nesse aqui e agora, honradas pelo que carregamos e dispostas a continuar. E olhar para o futuro é semear, abrir portas, caminhar, é sonhar! Este momento dos 25 anos das Tendas e Clãs do Sul reúne tudo isso.

 

Assim como na espiral da vida fomos espiralando os centros das nossas rodas. Juntas, nos curamos e nos purificamos na companhia da natureza e do frescor das ervas. Em muitas fogueiras, deixamos partir tudo aquilo que precisava ir. Deixamos cair as nossas máscaras de ilusão ao nos confrontar com o nosso lado mais sombrio. E, nesse processo todo, nos cuidamos como cuidávamos de nossas bonecas na infância. Sim, também somos meninas. Sangramos e choramos juntas. Partilhamos e nos alegramos juntas, também. Nos reconhecemos no olhar e na história de cada uma. Sim, somos elos do colar da grande Deusa. Somos o silêncio invisível que perpassa a noite dos tempos. Somos mais que um movimento, somos um santuário, um espaço sagrado feito de nós, mulheres. 

 

Somos sonhadoras, visionárias, guerreiras. 

Somos filhas, mães e irmãs. 

Somos Tendeiras.

 

Mais do que nunca temos motivos para comemorar e para rememorar, para assentar com passos firmes tudo que nos é de direito e, acima de tudo, trazer a nossa marca ao mundo: a força silenciosa e viva do feminino. Estamos de braços abertos para receber e acolher todas as mulheres que ouvirem esse chamado, afinal somos Tendeiras, e isso é para sempre!

 

Por todas as gerações;

E por todas as nossas relações;

Esse encontro é para todas nós mulheres!

Todas as bênçãos para esse momento!

Vamos celebrar!

Hey

Em Viamão/RS

 

Confira aqui a programação especial que preparamos para a celebração dos 25 Anos das Tendas e Clãs do Sul®!

Convidadas Especiais

maria-alice

Maria Alice Campos Freire-Mapiá

Integrante do Conselho Internacional das Treze Avós Nativas, uma aliança de preces, educação e cura pela Mãe Terra composta por 13 anciãs de muitos lugares do mundo, a avó Maria Alice Campos Freire nasceu no Brasil e vive na Amazônia. Recebeu o nome de sua avó paterna, a quem tinha uma ligação especial. Passou por muita violência e perseguição durante a ditadura militar. Foi iniciada na Umbanda, uma religião brasileira com base em ritos africanos, brasileiros, indígenas e tradições cristãs. Em um ritual, ela teve uma visão com um mensageiro chamado Mestre Irineu, guardião espiritual do Santo Daime, um chá sacramental usado apenas durante as cerimônias da religião do Santo Daime.  Nesse momento percebeu que seu sofrimento passado a ajudou a se abrir para a sua espiritualidade. Na Amazônia, a avó Maria Alice conheceu o Padrinho Sebastião, que a chamou em espírito. Hoje, a avó Maria Alice é uma mestre das cerimônias de Umbanda da igreja do Santo Daime, no Céu do Mapiá. Ela também é curadora, e fundadora do Centro de Medicina da Floresta e trabalha ativamente na preservação da floresta. 

http://avozdasavos.org

Eunice Kerexu_2

Kerexu Yxapyry

Primeira Cacica Guarani do Brasil

Kerexu Yxapyry foi a primeira Cacica Guarani reconhecida no Brasil. Mulher guerreira, liderança da aldeia Itaty, no Morro dos Cavalos, em Palhoça/SC, Kerexu representa a longa trajetória de mais de 500 anos de resistência e tradição. Ela enfrenta constantes ataques violentos, ameaças e tentativa de homicídio, e por isso faz o enfrentamento e luta pelos direitos e terras indígenas. Em 2015, recebeu a  Medalha Zumbi dos Palmares em reconhecimento pelo seu trabalho de combate à violência e preconceito indígenas. 

Iara Deodoro_3

Iara Deodoro

Coordenadora do Centro Cultural Odomodê – Porto Alegre-RS

Iara Deodoro é coreógrafa e diretora de dança afro. Assistente social, pós-graduada em Educação Popular e coordenadora do Instituto Sociocultural Afro-Sul Odomodê, Iara tem em sua trajetória mais de 40 anos dedicados à dança. Importante expoente da cultura afro, traz em sua ancestralidade a conexão com os ritos africanos e suas mitologias, vivenciando e preservando a cultura afro e sua arte em sua atuação e trabalhos realizados no Sul do Brasil. 

Atividades Comemorativas

Ao longo desses 25 anos, muitos sonhos foram sendo tecidos no coração e no ventre de cada mulher das Tendas e Clãs do Sul.

Conheça mais sobre as atividades comemorativas que serão realizadas durante o ano.

Depoimentos Tendeiras

Tendas: muito mais que respostas, explicações e entendimentos… uma forma de SENTIR, de acolher  e, então, SER.  Nessa seção você irá encontrar depoimentos das tendeiras de várias gerações, uma forma de nos reconhecermos na multidão através de um elo que é muito maior que nós.

Aniversário – 25 anos